Exposição Instintos Oníricos
13 de Janeiro a 11 de Março de 2012

 
P1120711_750x500
 

Encerrou no passado dia 11 de Março, no Centro Cultural de Cascais, a magnífica exposição INSTINTOS ONÍRICOS, de Cohen Fusé, que esteve patente ao público desde princípios de Janeiro. Natural de Buenos Aires (1944), Cohen Fusé vive e trabalha actualmente em Portugal. Estudou cerâmica na Escola de Belas Artes de Mar del Plata, formando-se mais tarde em arquitectura na Universidade Nacional de Buenos Aires. Cursou gravura e litografia na Escola de Belas Artes em Barcelona. Contratado em 1988 pela Galeria Vorpal, de Nova Iorque, expôs nesta cidade, em S. Francisco e no Canadá.

Continuar...
 

Exposição Blick, Mira, Olha!

Arquivo Fotográfico do Instituto Arqueológico Alemão de Madrid
12 de Novembro a 15 de Janeiro de 2012

P1100866_750x500
Blick
Mira Olha!

A magnifica exposição que, com a colaboração da Fundação D. Luís I, a Câmara Municipal de Cascais apresenta no Centro Cultural de Cascais, desde 12 de Novembro. Trata-se de uma exposição do Arquivo Fotográfico do Instituto Arqueológico Alemão de Madrid, que este ano comemorou 57 anos de existência. Fundada em 1943 por Helmut Schlunk, a pequena biblioteca de temática arqueológica do Instituto de Cultura alemã de Madrid viria a ter vida curta na sua primeira fase, posto que, terminada a Segunda Guerra Mundial com a vitória dos Aliados, foram encerrados todos os centros DAI no estrangeiro. O mesmo Helmut Schlunk viria a reabrir o Instituto de Madrid em 2 de Março de 1954, daí resultando um grande impulso ao trabalho de investigação interrompido e, agora como no passado, orientado para o estabelecimento de conexões entre as arqueologias ibérica e germânica. Uma parte do acervo fotográfico do Instituto é apresentado no Centro Cultural de Cascais, sob os auspícios do Museu Nacional Arqueológico de Tarragona.

Continuar...
 

Exposição Ninho Salino

7 de dezembro a 4 de março de 2014
 
xxl CVETO1 750x250
 
Sobre a obra de Cveto Marsic, pintor esloveno que residiu em Cascais e a Cascais regressa sempre que pode, escreve a crítica de arte e professora universitária Luísa Soares de Oliveira: «Nos estratos da pintura de C.M. há peças estranhas, objectos incrustados na massa. Diz o pintor que são como os restos que ficam num campo depois de uma batalha. Na maior parte das vezes, não é possível identificar a natureza do objecto. A pintura, a pasta espessa de que o autor se serve para fabricar cada quadro, recobre tudo e confere a cada obra uma qualidade escultórica que a filia na tradição da pintura gestual abstracta. Não me espanta saber que não há, no processo criativo, qualquer intervenção do pincel.»
Continuar...
 

Exposição Os Seres Imaginários

31 de julho a 19 outubro de 2014
 
xxl BENARD 750x250
 
A exposição OS SERES IMAGINÁRIOS mostra trabalhos fotográficos pertencentes essencialmente a três séries distintas que se complementam e interpelam:

- "Animais", realizada propositadamente para esta exposição, com fotografias trabalhadas com tinta da china, e livremente inspirada no "Livro dos Seres Imaginários" de Jorge Luis Borges e Margarida Guerrero, publicado inicialmente em 1957 com o título "Manual de Zoologia Fantástica", e apresentado como um compendio das estanhas entidades que a fantasia dos homens engendrou, ao longo do tempo e do espaço. Gonzalo Bénard cria aqui uma nova Arca de Noé, em que, à maneira do "Animalário Universal" do Professor Revillod, imaginou seres improváveis e fantasiosos, com diferentes partes de animais de espécies reais, em espaços abstractos sem limites.

Continuar...
 

Exposição No Caminho da Essência

8 de março a 25 de maio de 2014
 
xxl BOKOROS 750x250
 
O percurso pictórico de Christos Bokoros - «exercício de autognose», nas suas próprias palavras – acompanha e equaciona questões que compõem a natureza da essência do Homem: memória individual e colectiva, realidade, verdade, eternidade. A sua obra apresenta a posição que adopta face a elas, na sua dedicação de reflexão sobre a função da pintura na configuração da relação que temos com o nosso mundo exterior e interior. No seu conjunto, é um percurso que aborda com dedicação o «universo difícil» do espiritual na Arte – uma arte que seja nossa, pois interroga quem somos.
Continuar...
 


Pág. 6 de 54