Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks
MARIAN NOWINSKI

Exposição a Metáfora no Cartaz e no Desenho

13 de Outubro a 30 de Dezembro de 2012 
 
xxl marian 750x250
 
Gráfico, designer, autor de cartazes, assim se auto-define Marian Nowinski, pintor polaco também professor da Academia de Belas Artes de Varsóvia e deão do Departamento de Arte dos Novos Media na Escola Superior polaco-japonesa de Técnicas Informáticas de Varsóvia. 

É autor de inúmeros cartazes, álbuns, livros e publicações multimédia de realizações artísticas e de projectos para a ONU e União Europeia. Tem a seu crédito dezenas de exposições individuais na Polónia e no estrangeiro. Obras suas foram adquiridas para colecções de prestigiadas instituições internacionais. Nowinski vive e trabalha em Varsóvia.
 
P1270489 370x208 P1270715 370x208
P1270650 370x208 P1270646 370x208

A apresentação dos seus trabalhos (pintura e cartazes) em Cascais resulta de diligências efectuadas pela Embaixada da Polónia junto da Câmara Municipal de Cascais e da Fundação D. Luís I, que conjuntamente organizam a referida mostra. 
 
 
Imagens da Exposição no Centro Cultural de Cascais

 
A experiência da liberdade

Luísa Soares de Oliveira

 

Conheci Marian Nowiński no Verão, nos confins da Polónia, durante o 7º Workshop Internacional de Pintores. Em Stary Sącz, uma cidade muito antiga orientada para o turismo cultural e religioso, dirigia com entusiasmo e liberdade um grupo heteróclito de artistas vindos dos quatro cantos do mundo. Não se cansava de afirmar que, mais que os resultados, contava a experiência de estar juntos, naquele lugar, a trabalhar.

Não conhecia então a sua obra, a não ser pelo cartaz do evento: um rectângulo vermelho e verde, onde uma rã se transformava no número 7. O traço era preciso, exacto, sem hesistações. Mais tarde, num dos jantares em que todos participavam quase obrigatoriamente (mas, como já disse, a liberdade era a norma) confirmou o que eu já tinha intuído: "Desenho todos os dias." O livro que tinha trazido para me oferecer, e no qual relatava a história que era a sua e reproduzia grande parte da sua obra plástica, confirmava-o: só com uma prática quotidiana e regular do desenho é possível chegar aos resultados a que Nowiński chegara.

Esses resultados, que fazem do artista um dos mais reconhecidos hoje em dia a nível do design gráfico, obtem-nos Marian Nowiński através de dois processos técnicos: a síntese e o desdobramento. Não os usa com os mesmos fins, nem para o mesmo tipo de trabalho, nem com os mesmos objectivos. Mas uma visão das quatro décadas de carreira confirma-nos nesta afirmação. Onde, senão num cartaz de teatro, pode a loucura de Hamlet transformar o príncipe dinamarquês numa folha de papel feita num oito? Onde, senão através do desenho, pode um cavaleiro medieval tranformar-se num centauro que faz corpo com o seu cavalo? Nos cartazes de Nowiński, há todo um bestiário (incluindo o homem, como é evidente) que adquire asas, pés, objectos, que multiplica ou abre partes do corpo como caixas, como máquinas, como seres que apenas existem na imaginação. Ou na escultura gótica da sua Polónia natal.

Sínteses por hibridação, portanto. Havia um jogo infantil, recordei-lhe um dia, onde torsos e pernas dos animais eram intermutáveis. Acenou com a cabeça a confirmá-lo. Suspeito que, para Marian Nowiński, o desenho tem sempre algo de jogo, de adivinhação daquilo que o lápis ou a caneta podem e vão criar a partir do momento em que a mão os segura. Outras obras, como referi acima, nascem por desdobramento da imagem. A figura torna-se mais expressiva, na tradição aliás do norte da Europa, como se o artista pretendesse acentuar, gritar aquilo que pretende exprimir. São figuras que se multiplicam em movimento. Ou uma via-sacra onde o traço negro e vermelho ressalta a dor, muito mais do que o corpo que a sente. Ou ainda, num registo diferente, as imagens políticas e pacifistas das décadas de 70 e 80, construídas em tempos onde a censura (institucional, social) era uma realidade muito presente.

Por isso, em Stary Sącz, o workshop acabou com festa, que foi também um jogo e onde a liberdade dada aos jovens artistas foi a regra. É que a liberdade só faz sentido quando é colectiva.

 

P1270746 245x138 P1270725 245x138 P1270724 245x138

 

 

Agenda

<<  Novembro 2019  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
      1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930